sexta-feira, 24 de junho de 2011

Minha Primeira Grande Pedalada – Parte I

A primeira vez a gente nunca esquece! O primeiro beijo, o primeiro namorado (a), a primeira vez... andando de bicicleta, ontem tive a minha primeira grande pedalada!
Já faz quase um ano que aprendi a andar de bike, mas de lá pra cá costumava pedalar somente curtas distâncias aos fins de semana, sempre com meu personnal bike anjo. Íamos quase todos os sábados dar uma voltinha na ciclovia, voltávamos pra casa e ficava por isso mesmo.
Nos últimos meses eu comecei a querer ir cada vez mais longe e ficar por mais tempo pedalando e foi aí que decidi que até agosto iria numa pedalada/bicicletada.
Meu personnal Bike Anjo não deu mole e começamos um intenso programa de treino. A primeira lição seria conseguir pedalar em linha reta (eu andava totalmente torta!), depois desviar de obstáculos (sempre batia em postes e árvores! rsrsrs) e por último foi a vez de eu conseguir atravessar a rua sem virar pedestre, essa foi a lição mais difícil, devido ao meu medo dos maníacos ao volante.
Foi então que comecei a treinar pra ir da minha casa até o metrô Vila Prudente, cerca de 7 km. A primeira tentativa foi horrível, o Fa perdeu a paciência, eu morri de medo dos carros, paramos um pouco e por fim eu consegui fazer 1/3 do trajeto. Na segunda tentativa já estava bem mais confiante, desta vez fizemos um pouco mais de 1/3 do caminho e voltamos logo em seguida. Na terceira vez era hora de ir até o destino final: O metrô Vila Prudente, e eu consegui direitinho. Saímos num domingo de manhã, demoramos quase 1 hora entre paradas para tomar água e descansar, chegamos, sentamos num pedaço de concreto, esperamos 15 minutos e voltamos. Uma grande vitória pra quem nunca havia feito isso.
Resolvemos que já podíamos marcar um passeio legal e ontem foi o dia do tal passeio. Acordamos mais cedo, preparamos mochila, bike e água, tudo nos conformes! Iriamos ao Parque do Ibirapuera de bike.

Eu no Metrô Vila Prudente
Continua...

Um comentário:

Faprasem disse...

Um passo de cada vez e quando se menos percebe já fomos bem longe, hein?